Uma casa no bairro de Vila Nova de Colares, na cidade de Serra Grande, em Vitória, virou o centro das atenções. É onde mora um pedreiro que também se diz pastor. A vizinhança desconfia. 

Essas coisas significam casos extraconjugais. O pedreiro-pastor é Justino de Oliveira, de 50 anos, que pertence à pequena igreja conhecida como Tabernáculo, e foi na bíblia que o pastor viu que poderia ter outras mulheres. 

“Eu gostaria de ter alguém que mostrasse biblicamente onde foi proibido um homem ter mais de uma mulher”, desafia o pedreiro.


Pouca gente freqüenta os cultos do pedreiro, que apresenta como pastor. Umas 12 pessoas, nas contas dele mesmo. E foi na convivência com os fiéis que Justino se viu envolvido em mais um caso extraconjugal. 

Aconteceu depois que uma mulher que mora na vizinhança contou a ele uns sonhos que vinha tendo. 

Na casa dela, a música evangélica pode ser ouvida de longe. A mulher tem quatro filhos, é casada e prefere não aparecer. Disse que sonhou que teria filhos com o pastor. Uma revelação.

“Deus me levou a fazer isso, não teve pra onde eu correr”, afirma ela. O marido também conversou com o pastor. Aceitou.

“Eu pensei comigo que se fosse da vontade de Deus, seria feito”, diz o marido. “Entramos em oração, pedindo a Deus misericórdia, e foi uma das coisas mais difíceis da minha vida tomar essa decisão de pegar uma mulher com marido”, admite Justino. 

Essa dona-de-casa de 24 anos, que mora em Vila Nova de Colares e segue a doutrina da mesma igreja, admitiu que teve relações sexuais com o pastor. Casada há sete anos e mãe de quatro filhos, ela contou à reportagem de “A Tribuna” que seu marido concordou e o pastor teria mandado duas mulheres para o companheiro dela “não ficar sozinho”. 

Ela disse que dormiu na mesma cama com o pastor e sua mulher, mas que nos momentos íntimos os dois ficavam sozinhos. “Não senti prazer. Fui tudo pelo espírito. Foi de Deus”, disse a dona-de-casa. 

Pela cidade, alguns fiéis discordaram da suposta troca de casais e abandonaram a igreja. Um deles foi o porteiro Carlos Robson dos Santos, 46: “Ele dizia que estava tudo na Bíblia. Falava, ainda, que os homens tinham que ter sete mulheres virgens ou viúvas”, contou. 

O relacionamento do homem com mais de uma mulher aparece em trechos do Velho Testamento. Mas pastores alertam que a interpretação deve levar em conta o contexto histórico e cultural das épocas. 

O presidente da Associação de Pastores Evangélicos de Vitória, Abílio Rodrigues, condena a prática. “Quando se fala em sete mulheres para cada homem, no livro de Isaías, é uma profecia específica para o povo de Israel, que iria viver um tempo de guerra, em que não haveria homens para casarem com as mulheres. Não se pode firmar uma doutrina em cima disso. O apóstolo Paulo explica que o pastor tem que ser marido de uma só mulher”, afirmou. 

O pastor também era casado. Sua mulher o abandonou com toda essa confusão. A origem disso tudo? A bíblia. Oséias, capítulo 3, versículo 1. 

O versículo completo é: “E o SENHOR me disse: Vai outra vez, ama uma mulher, amada de seu amigo, contudo adúltera, como o SENHOR ama os filhos de Israel, embora eles olhem para outros deuses, e amem os bolos de uvas. Oséias 3:1″

 

Pastor interpreta a bíblia errado para adulterar com a mulher do vizinho

Comentários

Comentários

Classificado como: