“E lhes enxugará dos olhos toda lágrima, e a morte já não existirá, já não haverá luto, nem pranto, nem dor, porque as primeiras coisas passaram.” (Apocalipse 21:4)

Ao encerrar o ano, nada melhor do que nos apoiarmos nas promessas imutáveis de Deus. Entretanto, infelizmente muitas pessoas procuram colocar suas esperanças em superstições e simpatias falaciosas como pular ondas na praia, usar roupas com cores para atrair sorte, comer lentilhas, guardar folha de louro e por aí vai a fértil imaginação humana.

Devocional

É claro que nada disso tem alguma fundamentação a não ser no imaginário humano. Porém, muitos se apoiam nisso como se fosse sua última palavra de esperança para um futuro melhor. Isto apenas evidencia o anseio por salvação que está diante do coração humano. O anseio que nos faz apegar em algo, como uma tábua de salvação em meio ao naufrágio da vida. Mas falsas promessas não duram muito e logo começam a demonstrar o engano, ou seja, todas estas tentativas de salvação possuem data de validade ou já ultrapassaram este prazo. É preciso uma promessa real de alguém que possa cumprir o que prometeu.

É preciso uma promessa que passe pelo teste do tempo, alcançando a eternidade! No livro de Números está escrito que “Deus não é homem, para que minta; nem filho de homem, para que se arrependa. Porventura, tendo ele prometido, não o fará? Ou, tendo falado, não o cumprirá?” (Números 23:19), como uma clara demonstração da imutabilidade de Deus e de Suas promessas, as quais sempre cumprem seu propósito. As Escrituras estão repletas de promessas de Deus ao coração do ser humano, como “eis que estou convosco todos os dias até a consumação do século” (Mateus 28:20b), “e o meu Deus, segundo sua riqueza em glória, há de suprir, em Cristo Jesus, cada uma de vossas necessidades” (Filipenses 4:19), entre outras. Mas existem aquelas que transpassam nossa percepção temporal, tocando a eternidade, aquelas que, mesmo mantendo os pés na terra, faz com que nosso coração viva a perspectiva da eternidade de forma antecipada. Imagine um Deus que é capaz de se compadecer de cada um de nós a ponto de enxugar nossas lágrimas? Um Deus que nos permite chorar, mas não nos deixa naufragar nas tristezas e nas amarguras das lágrimas; antes a elas enxuga, abrindo um sorriso nos lábios. A Palavra de Deus é um relato sobre o amor de Deus resgatando o ser humano, restaurando todas as coisas assim como foram criadas e para o propósito pelo qual foram criadas. Ou seja, percebe-se na Bíblia a restauração original da Criação pelo Seu Criador, uma verdadeira reversão dos efeitos trágicos do mal. Por isso, o livro do Apocalipse chama esta reversão de Nova Criação, “Aquele que estava assentado no trono disse: “Estou fazendo novas todas as coisas!” (Apocalipse 21:5). É como um jogo de xadrez, no qual não se joga pensando apenas na próxima jogada, mas em várias jogadas antecipadas. Deus é este jogador por excelência que já determinou o xeque-mate da História, mas que pacientemente aguarda a ordem das peças a serem movidas, todas conforme a Sua soberana vontade, movendo os fatos, revertendo o mal e reescrevendo histórias. Um atento olhar para o último livro da Bíblia, percebe-se um final glorioso, assim como todas as histórias deveriam ser, com final feliz e surpreendente. Deus reservou o melhor para o final e assim o promete, a reversão de todo o mal e suas consequências em nossa vida. Mas isto tudo é prometido para aqueles que confiam em Jesus, a razão de toda promessa para nós. Lembrando as palavras do Apóstolo Paulo à igreja em Corinto: “Portanto, se alguém está em Cristo, é nova criação. As coisas antigas já passaram; eis que surgiram coisas novas!” (2Corintios 5:17), as quais revelam que na verdade a maior promessa de todas não é a de ter os olhos enxutos das lágrimas ou a reversão do mal em bem, mas estar em Cristo e experimentar esta reversão de valores e as promessas de Deus em nossa própria vida.

Pr. Emerson Patriota

Devocional Apocalipse 21:4 – Ano Novo

Deixe um comentário

Deixe um Comentário!

Classificado como:            

Deixe uma resposta