O super-homem do filósofo alemão Nietzsche, de fato, se aproxima mais do Batman: um homem comum que com seu cinto de utilidade pode fazer quase qualquer coisa. E tudo o que possui em sua Batcaverna é invenção sua. Também podemos agir assim e, com nossos aparatos especiais, pensar que controlamos as adversidades, nos achando sábios o suficiente para não dependermos de ninguém.

Esse era o sentimento de Caim: autodeterminação, independência, quase onipotência. Embora Abel, por ser mais novo, não possuísse o direito sucessório, sua vida consagrada a Deus representava ameaça e crítica, sem palavras, à arrogância de Caim. Isso gerou em Caim um conflito com Deus. Em sua ira, só se preocupava em impedir que a oferta de Abel fosse novamente aceita.

Jesus considera assassino tanto quem mata quanto quem odeia (Mt 5:21,22), pois o sentimento que está por trás deles é o mesmo: eliminar a concorrência. Matamos as pessoas quando não queremos vê-las, não as perdoamos, e em nosso interior lhes desejamos o mal.

Deus alertou Caim para controlar os maus desejos em seu coração (vv.6,7). Se não queremos ser transformados, forçamos o mundo a se ajustar a nós e vemos todos como culpados de nossa dor.

Não adianta termos uma religião que cumpre todas as obrigações, mas que não gera transformação. Esse culto Deus não aceita.

Conflitos que destroem | Pão Diário

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta